CARRAPATOS: Saiba como combater


A infestação por carrapatos no cão, além de provocar um incômodo muito grande ao animal pela coceira que provoca (reação alérgica), pode causar anemia e transmitir doenças como a Babesiose e a Erlichiose. A anemia no cão pode ocorrer nas grandes infestações, uma vez que o carrapato se alimenta do sangue do animal. Mas não é necessária uma grande quantidade de carrapatos para que a Babesiose ou a Anaplasmose sejam transmitidas.

Às vezes, um ou dois carrapatos que estejam carregando formas infectantes dos protozoários causadores dessas enfermidades são o bastante para que o cão contraia uma dessas doenças.

Assim, o controle do carrapato deve ser constante e qualquer sinal de apatia, febre, falta de apetite e mucosas (gengivas ou conjuntiva) pálidas em cães que costumam ter carrapatos, é motivo de uma visita ao veterinário e um exame de sangue, para detecção da Babesia ou da Erlichia. Elas são tratáveis quando diagnosticadas a tempo.


Carrapato fêmea no pelo do cão, e fêmea e macho juntos (como normalmente são achados).


Carrapato fêmea aderido à pele do cão, e detalhe da fêmea e do macho.

Mas o que fazer para evitar que o cão pegue carrapatos? Infelizmente, não há nenhum esquema de tratamento preventivo. Se o cão frequenta áreas infestadas por carrapatos, ele certamente irá pegá-los. Regiões com vegetação, em sítios ou fazendas, são os lugares mais comuns. Porém, existem muitos casos de pessoas que tem problemas com carrapatos dentro de seus canis ou quintais e até em apartamentos. Às vezes, num passeio a uma praça ou parque, o cão pode se infestar.

Ciclo de vida do carrapato

As doenças oriundas de carrapatos se difundem muito porque eles se alimentam 3 vezes para completar seu ciclo, podendo picar um animal infectado, transportar o parasita e transmitir a doença para um cão que estava saudável. E,para piorar ainda mais, cada fêmea coloca de 2 a 3 mil ovos a cada vez.


Fêmea realizando a oviposição.


E como combater o carrapato?

Assim como as pulgas, o carrapato não é um problema só do animal, mas sim do ambiente. O carrapato, em todos os seus estágios de vida (desde larva até adulto), é muito resistente. Combater o carrapato é difícil. Você pode eliminá-lo do cão facilmente com banhos carrapaticidas, porém, o inimigo que você não vê, ou seja, os ovos e larvas, estão no ambiente e nele sobrevivem durante meses. Muitos são os casos de proprietários que vivem combatendo o carrapato no cão, mas nunca conseguem exterminá-lo por completo.

Um outro detalhe é que os carrapatos colocam seus ovos na vegetação e também em frestas das paredes e piso. Dessa forma, todos esses lugares têm que ser tratados e não somente os cães. Quem tem na vizinhança terrenos com mato, criação de animais como cavalos e gado, pode sofrer com os carrapatos, pois esses parasitas são capazes de escalar altos muros em busca de alimento. Se isso estiver ocorrendo, é preciso controlar a infestação também na parte externa.

Um combate eficaz ao carrapato inclui:

No animal:

  • Banhos carrapaticidas: quando a infestação é grande, repetir os banhos a cada 15 dias;
  • Animais de pelos longos devem ser tosados no verão, época em que o calor e umidade fazem com que a incidência de carrapatos aumente muito;
  • Produtos carrapaticidas de longa duração, em gotas para aplicação tópica (local) ou spray, podem ser aplicados, mas veja a observação ao final deste artigo.

No ambiente:

  • Uso de carrapaticidas: aplicar nos canis, casinha dos cães, em plantas e canteiros, atentando para frestas nas paredes ou pisos e ralos. O forro da casa não deve ser esquecido. Repetir o tratamento a cada 15 dias;
  • Em canis de alvenaria, o uso da "vassoura de fogo" é muito eficaz. O calor irá destruir todos os estágios do carrapato. Repetir o tratamento a cada 15 dias; uma opção caseira são aparelhos com jato de vapor d'água fervendo;
  • Se possível, fechar todas as frestas existentes nos canis ou paredes dos quintais, assim como no piso;
  • Mude de produto a cada 2 ou 3 aplicações, para que o carrapato não desenvolva resistência e o tratamento passe a ser ineficaz.

Muito importante:

  • Nunca aplique em seu animal inseticidas comuns, produtos que são utilizados na casa contra insetos e baratas;
  • Filhotes, fêmeas gestantes e gatos não devem ser banhados com produtos inseticidas;
  • CONSULTE O VETERINÁRIO antes de usar qualquer produto anti-pulgas;
  • Banhos anti-pulgas devem ser dados com o cuidado (veja observação ao final do artigo);
  • Animais com ferimentos abertos (feridas ou queimaduras) não devem ser tratados com produtos anti-pulgas tópicos (para passar, banhar ou aspergir).
  • Existem carrapaticidas para uso em cães, mas muitas vezes são recomendados produtos de uso em bovinos e cavalos. AS DOSAGENS SÃO DIFERENTES. Consulte o seu veterinário antes de usar esses produtos;
  • Retire os animais do ambiente que irá receber o tratamento contra carrapatos até que o produto usado seque completamente.

O combate ao carrapato deve ser intensivo e durante um longo período de tempo. Nos meses mais quentes, a infestação pode voltar e os cuidados devem ser redobrados. Nas áreas em que há carrapatos em qualquer época do ano, o tratamento deve ser constante.

Afinal, é possível prevenir a infestação por carrapatos?

Sim, e a vantagem é que o tratamento a longo prazo para carrapatos é o mesmo usado para pulgas. Os banhos e as medidas preventivas ambientais são os mesmos.

Veja no artigo sobre pulgas como preparar e dar os banhos em cachorros, além das medidas a serem tomadas quanto ao ambiente.

Lembre sempre que a areia de construção é o pior foco de infestação de pulgas e carrapatos, e os cachorros adoram subir nos montes de areia. Tente evitar isso a todo custo.

Outra forma eficaz é a aplicação da “vassoura de fogo” ou “lança chamas” nos muros, canis, estrados, batentes, chão etc., pois elimina todas as fases do carrapato: ovos, larvas, ninfas e adultos.


TRATAMENTO DE CHOQUE PARA CÃES COM GRAVES INFESTAÇÕES:

Em casos de graves infestações de pulgas e carrapatos, ou em casos onde se torne impossível um banho (inverno rigoroso, chuvas, viagens, etc), pode ser feito um tratamento emergencial e imediato:

01 (um) comprimido de Capstar via oral (57mg para cães grandes, ou 11,4mg para cães pequenos ou gatos)

Isto elimina em questão de horas todas as pulgas e carrapatos adultos do animal, causando um tratamento de choque emergencial, mas não age sobre os ovos, larvas e pupas, ou seja, não é um tratamento completo, tendo efeito muito curto. Mas funciona maravilhosamente bem em casos emergenciais!

OBSERVAÇÃO: USO DE FRONTLINE E SIMILARES:

Nossa experiência com Frontline e outros similares tem sido péssima, além do fato de que o custo é altíssimo. Funciona bem no início, mas a duração é muito pequena para o que custa. O melhor tratamento ainda é um bom banho carrapaticida, e a posterior retirada manual dos carrapatos mortos e os que eventualmente sobraram vivos.

Mas, se você planejar usar este tipo de tratamento tópico para pulgas e carrapatos em seu animal, siga as instruções relativas ao tempo de espera antes e depois para lavar seu bichinho de estimação. Caso contrário, o produto não terá o resultado esperado.

Lugares preferidos dos carrapatos no corpo do cão. Verifique sempre:
  • Região das orelhas;
  • Entre os dedos das patas;
  • Próximo aos olhos, nuca e pescoço.
Encontrei um carrapato no meu cachorro. Como devo retirar?

Arrancar o carrapato não é recomendado. Pode acontecer de tirarmos só uma parte do corpo e o resto ficar ainda aderido ao cão, podendo provocar infecções. O ideal é aplicar umas gotas de vaselina ou parafina ao redor, esfregá-lo um momento até que amacie um pouco a pele e depois tentar retirá-lo suavemente. Depois, coloca-se o carrapato no álcool para que morra e não escapem os ovos. Lave as mãos depois de manipulá-los.

Existem também as pinças de carrapatos, que servem para extrair o parasita por inteiro. Encontram-se à venda em lojas especializadas de produtos veterinários. Veja como retirar:



Considerações finais:

Sempre que seu animal tiver uma infestação de carrapatos ou pulgas, você deve consultar o seu veterinário para que ele prescreva um vermífugo. Tanto pulgas quanto carrapatos podem transmitir vermes e causar anemia, além de perturbar e até mudar, temporariamente, o comportamento do seu animal, que vai ficar mais irritado, impaciente e exausto de tanto se coçar. Alguns cães chegam até a se mutilar, causando ferimentos graves pela coceira, além das graves doenças.

Leia também sobre a Babesiose e a Erlichiose, chamadas de "Doenças do Carrapato", que podem ser fatais para seu cão.


Fonte:
Adaptado e expandido de:
"Webanimal" - Controle de carrapatos (http://www.webanimal.com.br)

Bibliografia recomendada:


Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações diretamente:
Dicas de cuidados          :          Plantas medicinais        :          Artigos          :        Doenças        :        Adoções        :          Contate-nos
• ©2012www.NossosAmigos.com.br •
Nosso eterno mascote 'Peludo'
Atelier Crisfios